Sobre o Projeto

O Projeto Água Limpa surgiu de uma vontade imensa de transformar e fazer a diferença. A modelo Gisele Bündchen já havia despertado interesse para a importância da preservação da natureza e da convivência harmônica e sustentável. A partir de então, a preocupação com a questão ambiental virou objeto de frequentes questionamentos nas reuniões da família Bündchen, principalmente em relação à perda da qualidade da água na sua cidade natal, Horizontina, município situado a noroeste do Estado do Rio Grande do Sul.

Valdir Bündchen, pai da modelo, fazia parte de um grupo de acadêmicos da Faculdade de Sociologia da Unijui que, em 2004, liderados pelo coordenador do Curso, Dr. Enio Waldir Silva, discutiam sobre a importância da atuação da sociedade civil como ferramenta de coordenação na implementação de políticas públicas na área ambiental, em virtude da ausência destas.

A família Bündchen pensou em elaborar, então, um projeto ambiental próprio e piloto, voltado para a preservação da qualidade da água, com objetivo de fornecer água limpa para a comunidade, envolvendo-a e contando com a sua ajuda para melhoria deste bem tão essencial para a vida humana. Além disso, a modelo Gisele Bündchen, por ser uma pessoa pública, poderia utilizar sua imagem para chamar atenção para assuntos que realmente importam e, desta forma, prestar alguma contribuição para a sociedade, inspirando as pessoas a adotarem condutas mais ecologicamente corretas.

O Projeto Água Limpa resulta, assim, de uma constatação e da vontade de atender uma comunidade, tornando-se um exemplo que pode se estender a outros Municípios, tendo em vista que no Rio Grande do Sul existem 1.600 microbacias iguais, em semelhantes realidades.

  • 2005

    Os representantes dos órgãos públicos e de algumas instituições privadas estavam atentos à questão ambiental, principalmente no que dizia respeito à preservação das matas ciliares. Pensando na Lei Federal que trata desse assunto, foi realizada uma reunião na Câmara dos Vereadores de Tucunduva (município vizinho à Horizontina), onde os representantes de diversos órgãos públicos, entidades, empresas e outros discutiram sobre a necessidade da realização de projetos visando à recuperação das matas ciliares dos Rios Pratos e Santa Rosa, localizados na área.

    Em consequência dessa reunião, o Ministério Público do Estado do Rio Grande do Sul deu início à instauração de inquéritos civis nas cidades de Tucunduva, Novo Machado, Horizontina e Doutor Maurício Cardoso com o objetivo de promover a recuperação das matas ciliares dos rios Santa Rosa, Pratos e lajeado Guilherme. A promotoria de justiça elaborou, apresentou e aprovou o Termo de Ajustamento de Conduta com todos os proprietários ribeirinhos ao Lajeado Pratos. Esse termo denominado TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) coloca em obrigação o recuo de plantações e potreiros (áreas de pastagens) em 30 metros da margem dos rios, impedindo o processo de assoreamento e degradação das áreas de preservação permanentes (APP´s), conforme a Lei Federal 4771/65 – Código Florestal Federal.

  • 2006

    Os proprietários/posseiros que tinham as suas terras localizadas na extensão do Lajeado Pratos foram notificados pelo Ministério Público a comparecer em audiências para exposição e explicação da importância e necessidade da preservação das matas ciliares. Nessas ocasiões, foram celebrados os Termos de Ajustamento de Conduta (TAC), onde ficou estipulado que os posseiros e proprietários, num total de 112 famílias, teriam o compromisso de executar um projeto de recuperação da mata ciliar ao longo do Lajeado Pratos, com apoio das respectivas municipalidades de Horizontina e Tucunduva e das autoridades competentes vinculadas à questão ambiental.

    A família Bündchen expôs a ideia do projeto de recuperação da qualidade de água para a Prefeitura Municipal de Horizontina, que estava desenvolvendo um plano estratégico de desenvolvimento para o município através do COMUDE (Conselho Municipal de Desenvolvimento). O levantamento de dados para o plano teve início, com o objetivo ouvir quais eram as preocupações, dificuldades e necessidades enfrentadas pela população de Horizontina, bem como possibilitar a oportunidade de sugestões para melhorias. O projeto começava a tomar forma e para tanto era necessário abrigá-lo em uma OSCIP (Organização da Sociedade Civil de Interesse Público). A ADES (Agência do Desenvolvimento Econômico e Social do Planalto Médio), com sede em Carazinho/RS, acolheu o projeto como seu para dar legitimidade. Foi instalado um escritório na cidade de Horizontina/RS, onde se desenvolvem os trabalhos, sob a supervisão da ADES.

  • 2008

    Depois de inúmeras buscas e negociações, o Projeto Água Limpa contratou a Fahor – Faculdade de Horizontina e a ONG Ambiente Inteiro para, em parceria, iniciarem a elaboração e construção desse Projeto. Essas instituições fizeram um levantamento das APPs (Área de Preservação Permanente) e das microbacias dos Lajeados Pratos e Guilherme, nos municípios de Horizontina e Tucunduva. Neste levantamento foi constatado que se tratava de um local geográfico com área de 7.283,82 hectares com 158 propriedades. Estas foram escolhidas para testar as ideias do projeto.


      Lajeado Pratos Laj. Guilherme Total
    Extenção Lajeados 18.026,83 m2 9.405,19 m2 27.432,02 m2
    Afluentes 22 11 33
    Extenção dos Afluentes 47.786,17 m2 21.158,95 m2 68.945,12 m2
    Hectares 4.668,96 Há 2.614,86 Há 7.283,82 Há
    Propriedades 112 46 158
    Nascentes 23 12 35
    teste

    Ainda através desse estudo puderam-se diagnosticar os principais problemas que agravavam as condições das bacias dos lajeados:

    • Assoreamento visível dos canais principais e dos afluentes;
    • Desmatamento e/ou corte de árvores em áreas de preservação permanente (APP's) ou em áreas de reserva legal;
    • Mau uso do solo agrícola, com técnicas culturais em desuso;
    • Ocupação de APP's para pecuária ou cultivo de monoculturas;
    • Ausência de mata ciliar nos recursos hídricos (canais principais e/ou afluentes);
    • Canalização de cursos d'água;
    • Instalação de edificações em APP's (tanto em área rural como na área urbana);
    • Instalação e criação de suínos e outros animais em áreas impróprias (próximas ou em APP's);
    • Drenagem de banhados e áreas úmidas;
    • Aterramento e/ou drenagem de nascentes;
    • Nascentes expostas, sem vegetação na área de APP;
    • Vários açudes construídos em APP;
    • Desvios de cursos d'água para uso nas propriedades rurais e/ou áreas de lazer particulares ou públicas;
    • Isolamento de vegetação nativa (ausência de corredores ecológicos);
    • Descarga de resíduos líquidos (esgoto) domésticos e industriais, sem tratamento, nas bacias;
    • Falta de gestão e fiscalização ambiental de atividades potencialmente poluidoras;
    • Inexistência de licenciamento ambiental para atividades potencialmente poluidoras;
    • Inexistência de tratamento ou manutenção das estações de tratamento dos afluentes provenientes de loteamento populares;
    • Descarte de lixo sólido nas margens e leitos dos canais;
    • Descarte de lixo em áreas rurais;
    • Abertura de vias de acesso a propriedades rurais transpondo o leito dos lajeados;
    • Uso de agrotóxicos em APP, entre outros;

    Essa iniciativa foi desenvolvida a partir do Georeferenciamento e apontou o estado crítico de devastação nas Áreas de Preservação Permanente (APP's). O Projeto foi então enviado à Secretária Estadual de Meio Ambiente (SEMA) e aprovado pela mesma para implantação em 11 de Abril de 2008. Diante disso, tornou-se necessário ouvir a opinião de cada um dos proprietários ribeirinhos e fazer um levantamento da situação econômica e social. Para executar esse trabalho, o Projeto Água Limpa contratou os Sindicatos dos Trabalhadores Rurais de Horizontina/RS e de Tucunduva/RS para, através da aplicação de um questionário criado para tal fim e com registros fotográficos, se fizesse o diagnóstico da situação real das 158 propriedades.

    Esse levantamento trouxe informações relevantes para o Projeto. O que se apurou é que essa população ribeirinha é, em grande parte, constituída por agricultores com idade superior a 60 anos, dos quais muitos têm problemas de saúde, capacidade econômico-financeira extremamente difícil e principal fonte de renda oriunda de aposentadorias e não da atividade agrícola.

    Tendo em vista que os agricultores estavam se negando a assumir o Termo de Ajustamento de Conduta, em 15 de agosto de 2008 o Ministério Público celebrou uma Ata para firmar acordo para que o Projeto Água Limpa assumisse a recuperação da mata ciliar do Lajeado Pratos, evitando assim o conflito, e contou com 100% de adesão por parte dos agricultores. Ciente das dificuldades financeiras percebidas sobre a realidade dos proprietários, o Projeto propôs, em Audiência Pública realizada na Câmara Municipal de Tucunduva, um repasse aos aderentes no valor de R$ 3,00 por cada palanque colocado e R$ 1,90 por muda plantada e cuidada, sendo que o pagamento seria feito em dezembro de 2009.

    Porém, no momento das primeiras ações nas propriedades, veio a surpresa: os proprietários fariam a recuperação da mata, porém a mão-de-obra não seria deles. Diante da negativa, o Projeto teve que rever sua logística e contratar pessoas, o que resultou em nova complexidade, como transporte diário de trabalhadores dos municípios de Horizontina e Tucunduva, com o risco de ações trabalhistas.

    O próximo passo foi buscar apoio do governo, sob comando da então Governadora Yeda Crussius. O Estado considerou louvável a iniciativa e assumiu o compromisso de doar 132 mil mudas de árvores nativas em parceria com a Secretária Estadual do Meio Ambiente.

    Em 05 de dezembro de 2008, o Projeto Água Limpa foi oficialmente lançado, em uma cerimônia realizada no Jardim Botânico de Porto Alegre, contando com a presença da então governadora do Estado do Rio Grande Sul, Yeda Crusius, da deputada Zilá Breitembach, dos representantes do Ministério Público, da SEMA, da FEPAM, EMATER, da ADES, das prefeituras municipais das cidades envolvidas, da Fundação Zoobotânica, do Tribunal de Justiça, da FAHOR, do PGQP, do SEBRAI, da CORSAN, da CEEE, de outras secretarias e órgãos públicos, demais entidades privadas e membros da família Bündchen. Na ocasião, foi assinado um termo de compromisso entre o Estado do Rio Grande do Sul e a ADES.

    Após receber a doação do Governo do Estado, surgiu a necessidade de se ter um espaço para abrigá-las. Assim, por meio da busca de parcerias, construiu-se o Horto Florestal no Campus da Fahor – Faculdade de Horizontina, com o apoio das empresas Dílson Stein, Weissul Agrícola Ltda. e Mekal – Comércio de Produtos Ltda.

Restabelecer a qualidade da água potável que abastece a cidade de Horizontina/RS é o objetivo central do projeto, que tem como missão sensibilizar e integrar a sociedade civil com as entidades públicas e privadas na organização de ações de políticas ambientais sustentáveis.

  • Preservação das Águas, plantio de mata Nativa

    descrição da imagem

    Preservação das Nascentes

    • Proteção de banhados e vertentes com isolamento das áreas.
    • Restauração de Mata Ciliar no entorno dos isolamentos.

    Plantio de Mata Nativa

    • Abandono 30 metros.
    • Restauração das áreas de APP's, com plantio de mata nativa.
  • Conservação do Solo

    descrição da imagem

    Diminuição do assoreamento

    • Restauração das áreas de APP's, com plantio de mata nativa.
    • Trabalho de terraceamento e nivelamento da micro bacia.
    • Abandono 30 metros do leito dos lajeados.
    • Abandono de 7 metros para os arroios.
    • Cobertura Verde com leguminosas.
  • Combate à poluição

    descrição da imagem
    • Coleta seletiva e tratamento do lixo.
    • Isolamento das atividades agropecuárias de nascentes, banhados e margem dos lajeados.
    • Diagnóstico de impacto ambiental produzido pela indústria, comércio e prestação de serviços.
  • Política Ambiental Educação

    descrição da imagem
    • Palestras e debates envolvendo escolas, clubes, associações e sindicatos.
    • Placas de sinalização local.
    • Palestras e debates envolvendo escolas, clubes, associações e sindicatos.
    • Divulgação na mídia.
    • Elaboração de material de comunicação.

    Inclusão Social

    • Diagnóstico Socioeconômico.
    • Diagnostico Ambiental.
    • Diagnostico Técnico.
    • Qualificação Profissional.

Quando o levantamento do diagnóstico dos problemas foi concluído, veio a constatação de que para atender o objetivo de dar qualidade à água, restabelecendo seu estado natural plenamente potável nas duas microbacias, inúmeras ações deveriam ser realizadas, como mostram os pilares do projeto.

Para ajudar na discussão e administração dos pilares, o Projeto Água Limpa criou um Conselho Gestor, formado por representantes das comunidades de Horizontina e Tucunduva.

Conselho Gestor do Projeto Água Limpa - ADES

Função Nome
Coordenador Valdir Reinoldo Bundchen
Coordenador Sedelmo Desbessel
Gestor Financeiro I Edo Godoy
Gestor Financeiro II Sadi Schmidt
Gestor de Microbacias César Mantovani
Gestor da Mata Ciliar Douglas Fronza
Gestor de Combate a Poluição Joel Tauchen
Gestora de Política Ambiente Educação Eloísa Durks
Gestor Comunicação e Divulgação Humberto Batscke
Gestor de Comunicação Empresarial Dionir Bianchi
Gestor de Comunicação Publica Álvaro Calegaro
Gestor de Comum. Produtores Rurais Dari Edson Conti
Conselho Fiscal Albertino Duarte Pacheco
Conselho Fiscal Irineu Colato
Conselho Fiscal Mateus Busanello
Conselho Fiscal Edio Smaneoto

Resultados

Quando o levantamento do diagnóstico dos problemas foi concluído, veio a constatação de que para atender o objetivo de dar qualidade à água, restabelecendo seu estado natural plenamente potável nas duas microbacias, inúmeras ações deveriam ser realizadas, como mostram os pilares do projeto.

Para ajudar na discussão e administração dos pilares, o Projeto Água Limpa criou um Conselho Gestor, formado por representantes das comunidades de Horizontina e Tucunduva.

Foto: Engenheiro Florestal Emerson SichinelFoto: Engenheiro Florestal Emerson Sichinel

Recuperação de 30 metros em cada lado da margem do leito do Lajeado Pratos, pela extensão de 18.600 metros, num total de 116 ha, desde a nascente até a ponte que liga o município de Horizontina ao município de Tucunduva. Foram plantadas 39.840 mudas de mata nativa no período de junho a setembro de 2009, com a taxa média de replantio em torno de 8%, o que é ótimo, considerando as duras geadas acontecidas.

Foto: Engenheiro Florestal Emerson SichinelFoto: Engenheiro Florestal Emerson Sichinel

Recuperação da mata ciliar, através da proteção da capoeira do mato existente e plantado, que possibilitou a formação de um corredor ecológico de aproximadamente 112 ha. Conforme imagens de outubro de 2010, já é possível observar a revitalização da flora e da fauna.

Foto: Engenheiro Florestal Emerson Sichinel

Durante a Feintech 2009 (Feira Internacional de Tecnologia de Horizontina) foi feito o plantio de mudas de árvores nativas na sede da feira, localizada na área rural da cidade. Essas mudas foram doadas pelo Projeto Água Limpa, que também marcou sua presença no plantio de uma árvore símbolo, junto a uma nascente existente no local.

Para 2010 estava previsto a recuperação da mata ciliar ao redor do Lajeado Guilherme. Entretanto, o plantio não pode ser realizado em virtude da ausência de Promotor público para dar continuidade ao inquérito civil já iniciado nas cidades de Tucunduva e Horizontina. Além disso, não foi realizado o plantio ao redor das nascentes, já que algumas propriedades contam com mais de uma nascente e a preservação de tais áreas poderia deixar a propriedade totalmente inapta à atividade agrária, deixando o proprietário sem renda.

Em algumas outras propriedades, o plantio não pode ser realizado, pois não há como isolar a área a ser recuperada por existirem animais que precisam do acesso ao rio para sua sobrevivência. Como não foram fornecidos bebedouros como alternativa de fornecimento de água, o plantio não foi feito. Essa questão do fornecimento de bebedouros para os animais não foi abrangida pelos TACs já firmados.

As cercas ainda não foram colocadas em decorrência da não aceitação dessas pelos posseiros ribeirinhos, já que as cercas oferecidas demandariam cuidados e reposição anual. Os posseiros alegam que precisam de cercas duráveis e definitivas, sugerindo o uso de madeira de lei, o que não é permitido pela legislação nacional. Neste contexto, o Projeto Água Limpa está buscando alternativas para colocação de cercas duráveis e definitivas que não gerem dano ao meio ambiente.

Em fevereiro de 2010 foi realizada uma reunião na SEMA para análise do Projeto Água Limpa e eventual ajuda do Governo para a continuação do projeto, já que hoje o Projeto se encontra impedido de continuar o plantio por questões de política pública. Na ocasião, foi sugerido pelo então Presidente da SEMA a criação de uma grupo de trabalho para acompanhar e ajudar no desenvolvimento do Projeto Água Limpa, o qual contaria com membros representando a SEMA/DEFAP, o Comitê de Gerenciamento da Bacia Hidrográfica da região, a CORSAN, as Prefeituras Municipais de Tucunduva e Horizontina, entre outros. Em 23 de março de 2010 foi publicado no Diári

Preservação das Águas e Plantio de Mata Ciliar

Representantes das prefeituras e entidades de produtores rurais de Horizontina e Tucunduva visitaram a empresa Sementes Falcão com o objetivo de conhecer o trabalho de conservação de solo e o inédito Sistema de Terraceamento para Semeadura Direta, utilizando o software Terraço for Windows. A visita teve por objetivo entender os princípios conservacionistas adotados pela empresa, suas vantagens e a viabilidade da aplicação do sistema em áreas de microbacias no município de Horizontina e Tucunduva no programa conservacionista idealizado pela família Bündchen. O que pode ser constatado nesta visita foi que, através da adoção destes sistemas, houve, ao longo dos anos, controle da erosão, maior uso da terra, aumento da umidade do solo e da atividade biológica no solo, incrementando os níveis de matéria orgânica e qualidade física do mesmo. Com a melhora da estrutura física deste solo, obteve-se aumento da taxa de infiltração das águas da chuva e consequente redução das enxurradas. Com isso, foram melhorados os níveis de fertilidade, o que propiciou uma redução considerável no uso de fertilizantes e por consequência nos custos de produção, ou seja, melhor rentabilidade.

Preservação das Águas e Plantio de Mata Ciliar

Combate à Poluição
A FAHOR, através do responsável por sua parte ambiental, o geógrafo Joel Tauchen, iniciou um projeto de pré-diagnóstico ambiental, com aplicação de questionários junto a algumas empresas da cidade, no sentido de avaliar o impacto ambiental produzido.

Setor Industrial
No que se refere ao destino dos afluentes, 56 % das ISM utilizam o sistema do sumidouro ou poço negro, o que é considerado irregular. Outros 16% ligam diretamente na rede pluvial. Somente 6% apresentam condições favoráveis no destino dos afluentes sanitários.

78% das empresas não possuem nenhum tipo de tratamento para os afluentes gerados no processo industrial. O mais agravante é que 47% das ISM destinam afluentes industriais junto com o afluente sanitário e somente 5% contratam empresa especializada para dar o destino. As substâncias potencialmente toxicas citadas na pesquisa são tintas, solventes, vernizes, óleos e decapantes (produto para a retirada do óleo das chapas de aço). Um litro de óleo contamina 950 litros de água potável.

Setor Comercial
Com relação ao setor comercial, os principais problemas estão relacionados à geração de efluentes e resíduos sólidos. No que se refere aos efluentes sanitários, 90% dos entrevistados afirmam ter fossa séptica, porém com sumidouro na rede pluvial. 10% não souberam informar. Dentro do setor, os supermercados é que geram maior volume de efluentes e de resíduos sólidos.

Setor de Serviços
Apesar de todas as oficinas mecânicas terem a separação de óleo e envio para refino, nenhuma delas possui um sistema eficiente de contenção de vazamentos. Outro ponto se refere à limpeza da oficina, que se dá por métodos precários e o efluente dessa lavagem tem como destino a rede pluvial.

Em contato com a nova Diretoria da Associação Comercial, Industrial e de Serviços de Horizontina, ficou inicialmente estabelecida uma parceria que acreditamos poder aprofundar e estender esse levantamento a todas as empresas do município. Como ponto de partida, cada empresa pode construir um projeto visando à solução do seu problema ambiental.

Em reunião com gestores do Projeto Água Limpa/ADES, Poder Executivo Municipal e Secretarias Municipais de Horizontina, foi discutida a Coleta Seletiva do Lixo com o recolhimento de: Pilhas, lâmpadas e baterias, Resíduos da construção civil, resíduos de florestas e desbastes de árvores, coleta seletiva de lixo nas empresas, material reciclável, recolhimento de lixo tóxico.

Preservação das Águas e Plantio de Mata Ciliar

Foto: Engenheiro Florestal Emerson Sichinel

Nos meses de setembro a outubro de 2009, foram realizadas palestras em todas as escolas municipais, estaduais e particulares de Horizontina e Tucunduva com o objetivo de divulgar uma nova ideia ambiental.

Foto: Engenheiro Florestal Emerson Sichinel

Diversos alunos do Ensino Fundamental e Médio de escolas municipais, públicas e particulares de Horizontina e Tucunduva participaram do 1º Concurso Água Limpa, enviando desenhos, redações e criando a apresentação da música do projeto. Os vencedores foram escolhidos pelos representantes do Rotary Clube Santa Rosa e anunciados no dia 5 de novembro no palco da Feintech - Feira de Tecnologia de Horizontina. Os vencedores farão parte do primeiro Livro do Concurso Água Limpa. Anualmente, durante os próximos quatro anos, o concurso vai se repetir e eleger os trabalhos vencedores para as próximas edições da publicação

Foto: Engenheiro Florestal Emerson Sichinel

Durante a Semana do Meio Ambiente 2010, o Projeto Água Limpa, em Parceria com a Caixa-RS e a Secretária Municipal de Educação de Horizontina, realizou o reflorestamento de duas áreas verdes em Horizontina. A Caixa-RS doou mil mudas de árvores nativas, que foram plantadas pelos alunos das Escolas Municipais, Estaduais e Particulares e também de Educação Especial.

Criação de um corredor ecológico de aproximadamente 112 hectares;
19 km e 600 m de matas ciliares preservadas nos dois lados do rio;
Serão beneficiados com água limpa os mais de 19 mil habitantes da cidade de Horizontina, que através do Projeto Água Limpa conservará os mais de 1.000 litros por segundo oferecidos pelo Lajeado Pratos.

Dicas

  • Use os dois lados do papel

    Você sabia que são necessárias 11 árvores para produzir uma tonelada de papel? Usando os dois lados do papel você estará salvando 0,3 árvore por ano.

    Fonte: Associação Brasileira de Celulose e Papel

    Use os dois lados do papel
  • Feche a torneira quando não estiver usando

    Cada cinco minutos com a torneira aberta gasta em torno de 25 litros. Assim, quando escovar os dentes, fazer a barba e lavar o rosto, você estará gastando apenas 2 litros em média e economizará cerca de 23 litros por dia.

    Fonte: Planeta Sustentável

    Feche a torneira quando não estiver usando
  • Não descarte óleo no ralo

    O óleo funciona como uma cola quando jogado no ralo, formando pedras que obstruem o canal. Procure locais apropriados para descarte e encaminhe o óleo para reciclagem.

    Fonte: Planeta Sustentável

    Não descarte óleo no ralo
  • Use a água da chuva

    Ao molhar plantas, use o regador com a água coletada da chuva: o gasto é bem menor do que se você usar mangueira. Mas, se tiver um jardim grande, opte pela mangueira com esguicho-revólver: é mais econômica.

    Fonte: Planeta Sustentável

    Use a água da chuva
  • Lixo eletrônico

    Leve seu computador antigo ou estragado a locais próprios para reciclagem. Eles contêm metais pesados altamente tóxicos para a saúde humana e para o meio ambiente.

    Fonte: Ecodesenvolvimento

    Lixo eletrônico
  • Lave sua calçada corretamente

    Não lave calçadas e quintais com mangueira. Varrer dá o mesmo resultado. Se for inevitável use balde e vassoura. Com balde, você economiza 260 litros a cada uso.

    Fonte: Planeta Sustentável

    Lave sua calçada corretamente
  • Cuidado com a torneira pingando

    Nunca deixe a torneira pingando, pois o gotejamento rápido gasta, em média, mil litros de água por mês. Fechar a torneira direito e não deixar água escorrendo vai poupar mais de 12 mil litros de água por ano.

    Fonte: Planeta Sustentável

    Cuidado com a torneira pingando
  • Economize água da descarga

    Utilize uma garrafa PET cheia dentro da caixa de descarga. Assim, você economiza a quantidade de água da descarga relativa ao tamanho da garrafa. Uma garrafa PET de um litro representa um litro a menos de água a cada descarga.

    Fonte: Eco Desenvolvimento

    Economize água da descarga
  • Plante árvores

    Além de ajudar a absorver o CO2 da atmosfera, elas proporcionam sombra e amenizam a temperatura dentro das residências, o que reduz o uso de condicionadores de ar ou ventiladores.

    Fonte: Iniciativa Verde

    Plante árvores
  • Use papel reciclado

    Não há corte de árvores para a produção de papel 100% reciclado. Dessa forma, 11 árvores deixam de ser cortadas para a produção de uma tonelada de papel.

    Fonte: Associação Brasileira de Celulose e Papel

    Use papel reciclado
  • Separe o lixo

    Ao separar o lixo para reciclagem, há uma diminuição das emissões de Gases de Efeito Estufa, pois, além de evitar mais exploração de matéria-prima bruta, dispensa os gastos de energia e combustíveis fósseis no processo de fabricação e transporte.

    Fonte: Iniciativa Verde

    Separe o lixo
  • Diminua o tempo no banho

    Você sabia que 15 minutos de banho com chuveiro elétrico consomem 153 litros de água? Se você reduzir o tempo do banho em 5 minutos, você economiza 51 litros de água por banho.

    Fonte: Planeta Sustentável

    Diminua o tempo no banho

Fatos

  • Cerca de 1,8 milhões de crianças morrem todos os anos em decorrência da diarreia.
    Fonte: CSDW

  • Nos países em desenvolvimento, mais de 4 mil crianças morrem todos os dias em decorrência do consumo da água contaminada.
    Fonte: CSDW

  • Cerca de um bilhão de pessoas não têm acesso à água limpa e 2.6 bilhões não têm serviços sanitários adequados.
    Fonte: OMS

  • Em decorrência do consumo de água contaminada, a diarreia está entre as principais causas de morte em crianças de países em desenvolvimento, superando até mesmo a AIDS e a malária juntas.
    Fonte: CSDW

  • Mais de 3,5 milhões de pessoas morrem todos os anos por doenças relacionadas à contaminação da água.
    Fonte: Organização Mundial da Saúde 2008

  • Embora ¾ do planeta sejam cobertos por água, só uma pequena parte é potável. Desta parte apenas 1% está disponível para consumo.
    Fonte: OMS

  • A ONU estima que cerca de 2.8 bilhões de pessoas em 48 países viverão em situação de escassez de água até 2025.

  • Cerca de 13 milhões de hectares de florestas são destruídos a cada ano. Isso corresponde a uma área do tamanho de Portugal.
    Fonte: PNUMA

  • As florestas podem desaparecer completamente em 100 anos no ritmo atual de desmatamento.
    Fonte: National Geographic

  • A cada dia são despejados 2 milhões de toneladas de lixo nos rios, lagos e mares do Planeta.
    Fonte: ONU

Compartilhe

Adicione este site ao Delicious _badge_twitter_ Adicione este site na sua lista do MySpace Adicione este site ao Facebook _badge_orkut_ _badge_linkedin_

© Projeto Água Limpa - Por Aldeia . Canção tema Água Limpa - "É tanta água" (Marisa Rotenberg/Gelson Oliveira)